A História do marketing em uma linha do tempo com os principais fatos desde 1922

O marketing é uma atividade que está presente em todos os setores, do privado ao público.

Mas você conhece a história do marketing e os principais fatos que marcaram sua evolução ao longo das últimas décadas? Contamos a você a história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo

A história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo tem muitas versões e todas elas carregam um olhar valioso a respeito dessa disciplina que vem evoluindo constantemente ao longo dos anos. 

Livros, artigos científicos, vídeos e textos publicados em sites especializados apresentam narrativas diferentes que merecem ser exploradas por quem deseja compreender a trajetória dessa atividade.

Reunir todo esse material, separar os principais acontecimentos e criar uma linha do tempo parece ser uma tarefa difícil, não é mesmo? Pois saiba que acatamos esse desafio.

Ao fazer isso, sabemos que estamos sujeitos a cometer erros e injustiças. Mas nosso objetivo consiste em nada mais do que traçar um panorama histórico de 1922 a 2022.

Queremos mostrar um pouco desses anos de profundas mudanças, descobertas e evoluções na área que acompanharam, inevitavelmente, as transformações tecnológicas e sociais.

No decorrer desta página, você viaja no tempo e confere cada um dos fatos que marcou essa história, incluindo os períodos de conceituação, reconceituação, até o cybermarketing e a sociedade pós-industrial, conforme identificam alguns estudos. 

Aperte o cinto e vem conosco!

Marco inicial do marketing enquanto área do conhecimento

Ao revisitar a literatura acadêmica e os livros mais voltados para o mercado, é difícil encontrar, precisamente, um marco inicial do marketing no mundo. 

A razão é muito simples: as práticas de marketing são relacionadas a atividades que existem há muitos anos.

Embora alguns estudiosos afirmem que o começo foi oficializado a partir de 1900, outras referências entendem que o nascimento da área converge com o surgimento do comércio e se confunde com a própria história da humanidade.

De todo modo, podemos dizer que, enquanto área do conhecimento e segmento profissional especializado e reconhecido, o início do marketing data mesmo do século 20, mais precisamente de 1922, como veremos adiante.

Antes de mais nada, vale destacar que o marketing surge em um contexto marcado pelo avanço da economia de mercado no mundo ocidental, que imprimiu mudanças profundas nos sistemas social, econômico e moral vigentes até então.

Sobrevivendo às duas grandes guerras mundiais — além da guerra fria e das profundas crises econômicas globais ao longo das últimas décadas —, o marketing acompanhou todos os avanços tecnológicos, se adequou a eles e, na maior parte das vezes, os incorporou para exercer suas finalidades principais: posicionar, divulgar, convencer e vender.

1922: Primeiro registro da palavra “marketing”

Com base em uma afirmação de Marcelo Boschi, coordenador de marketing estratégico da ESPM Rio, consideramos pertinente embarcar em nossa jornada a partir do ano de 1922, quando a palavra “marketing” foi registrada (publicada) pela primeira vez.

À Forbes, Boschi explica: “O primeiro registro da palavra ‘marketing’ é atribuído a um livro americano de 1922, que tratava da distribuição de alimentos”.

Portanto, o ano de 1922 é considerado um dos marcos do início do marketing enquanto área do conhecimento e atuação profissional. 

Vale destacar que, no contexto histórico do surgimento do marketing, vários outros movimentos tiveram início, como as grandes indústrias, sobretudo as do ramo do automobilismo.

Nesse sentido, pode-se dizer que o conceito dessa técnica é uma consequência da Revolução Industrial, que ocorreu entre os séculos 18 e 19.

1919: Chegada da Ford ao Brasil

Antes de seguirmos em nossa linha do tempo, é necessário abrir um parêntese e citar um fato que está totalmente inserido no contexto da história do marketing no Brasil: a chegada da Ford ao país.

O projeto de sucesso de Henry Ford representa bem essa influência do mercado sobre as ações de marketing. Com uma linha de produção em série, faz-se necessário educar as pessoas a consumir mais e mais.

Com essa lógica, pouco depois do fim da 1ª Guerra Mundial, em abril de 1919, a Ford Motor Company decidiu inaugurar a primeira filial no Brasil. A vinda da empresa ao território brasileiro é considerada um marco que revolucionou tudo o que o país entendia até então sobre produção industrial e avanços tecnológicos.

A inauguração ocorreu na Rua Florêncio de Abreu, em São Paulo, e foi conduzida pelo filho de Henry, Edsel Ford, que era presidente da companhia na época.

Com um investimento de mais de 25 mil dólares, o herdeiro da empresa iniciou a montagem de linhas de carros no Brasil. Há registros de que, apenas no segundo ano de atuação, a empresa produziu e vendeu mais quatro mil veículos no mercado nacional.

1921 a 1933: Ascensão do rádio

A história do rádio teve início em 1831, com Michael Faraday descobrindo a indução magnética. Será que o inventor tinha noção da potência que ele estava criando, que dominaria parte do século 20 no campo da comunicação?

Mas vamos com calma, pois o começo mesmo da difusão radiofônica se deu em 1887, por meio do físico alemão Heinrich Rudolph Hertz.

Conceitualmente, o rádio é um meio de comunicação que tem base na difusão de informações por intermédio de ondas eletromagnéticas em diferentes frequências.

É até hoje considerado o meio mais popular e de maior alcance das massas no mundo inteiro. Essas características fazem do rádio um dos marcos do marketing, sobretudo enquanto instrumento de passar mensagens.

O rádio teve seu desenvolvimento potencializado com a eclosão da 1ª Guerra Mundial, sendo utilizado para fins militares. 

Entretanto, na década de 1920, passou a ser usado como meio de transmissão de notícias e entretenimento, alcançando 55% das casas americanas em apenas 22 anos (entre 1920 e 1933). 

A tecnologia passou a ser um prato cheio para as ações de marketing, com patrocínios das transmissões e anúncios publicitários verbais de serviços e produtos das empresas.

No Brasil, a primeira transmissão radiofônica ocorreu em 1922.

1929: Primeira agência de publicidade internacional a se instalar no Brasil

Este foi o ano que marcou a chegada da primeira agência de publicidade a instalar uma sede no Brasil. A J. Walter Thompson é a dona deste título. Além disso, a empresa carrega consigo alguns marcos interessantes: 

  • foi a primeira a lançar, em 1912, um departamento de pesquisa do mundo;
  • em 1920, realizou campanhas que, de forma inédita, ganhou o aval de pessoas famosas;
  • no ano de 1933, desenvolveu a primeira pesquisa em solo brasileiro sobre perfil de consumo.

Trata-se nada menos do que a empresa do ramo mais antiga do mundo, que contou inclusive com passagens dos escritores Fernando Pessoa e Gabriel García Márquez.

1941: Primeiro anúncio de TV

A TV foi e é até hoje um meio de comunicação fundamental para as estratégias de marketing. Em 1941, esse casamento foi inaugurado no Estados Unidos, com o primeiro comercial televisivo que foi ao ar.

Curiosidade: o anúncio foi uma espécie de tremida vinheta de apenas 10 segundos para a empresa de relógios Bulova, com sede nos Estados Unidos e que, à época, já tinha 66 anos de estrada.

Pode-se dizer que a peça não teve um resultado tão significativo, tendo em vista que a audiência não era muito ampla. Em Nova Iorque, existiam aproximadamente 4 mil aparelhos de televisão no início da década de 1940.

De todo modo, o primeiro comercial do qual o mundo tem registro abriu caminho para um formato que seria dominante por longos anos. Até hoje, o mercado de anúncios em TV é muito forte em receita e alcance.

Em menos de 15 anos depois desse marco, mais precisamente em 1954, a receita dos anúncios televisivos já tinha passado as cifras adquiridas com marketing via rádio e revistas.

Década de 1940: Surgimento do termo “Mercadologia”

Ainda na década de 1940, Álvaro Porto Moitinho lançou o neologismo “mercadologia” em seu livro “Ciência da Administração”, conceituando a análise das condições e tendências do mercado para que as marcas orientassem suas estratégias comerciais de modo assertivo e eficiente.

Um fato curioso é que, no Brasil, na década de 1950, o termo marketing foi traduzido para mercadologia, palavra cunhada por Moitinho. Esse movimento ocorreu quando surgiram os primeiros cursos da área no ensino superior.

No entanto, o termo mercadologia não teve êxito, principalmente pelo fato de a palavra em inglês representar ação no mercado, com uma conotação mais pertinente e coerente que não se limitava aos estudos do mercado, e sim às ações.

1942: Primeira lei específica sobre propaganda no Brasil

Embora as estratégias de marketing já estivessem em curso há alguns anos no país, a primeira lei relacionada à área só foi sancionada em 1942. 

Foi a primeira legislação específica sobre propaganda, voltada exclusivamente para dentistas, médicos e veterinários.

1948: Início do Dia dos Namorados e do Dia das Mães

Junho de 1948, essa foi a data em que iniciava a exploração promocional do Dia dos Namorados. O Dia das Mães protagonizou seu primeiro anúncio no mesmo ano. 

Ambos os eventos comemorativos, criados pela Standard Propaganda em São Paulo, movimentam o comércio até hoje. 

Essa agência de publicidade pertencia a Cícero Leuenroth, uma figura importante na história do marketing no Brasil. Ele foi um dos fundadores, inclusive, do IBOPE (1942) e da Associação Brasileira de Propaganda (1937).

1949: Criação do termo “marketing mix”, que deu origem aos 4 Ps

O famoso termo “marketing mix”, que posteriormente daria origem ao conhecido conceito dos 4 Ps (produto, preço, promoção e praça), foi criado por Neil H. Borden, em 1949. 

Em linhas gerais, o marketing mix pode ser entendido como um compilado de elementos que integram as ações de marketing. 

O conceito tem base em estudos de James Culliton, que dizia que os executivos das empresas eram uma espécie de liquidificadores (que significa mixers, em inglês).

Isso porque, segundo o autor, a função desses profissionais consistia em materializar receitas orçamentárias, misturando ingredientes, alterando quantidades ou incrementando novos elementos.

É a partir de toda essa conceituação que, anos depois, a expressão marketing mix, ou mistura de marketing, ganhou novos ares. A teoria de Borden foi aprimorada por Jerome McCarthy, professor da Universidade de Michigan, que definiu os quatro grupos de ações que simbolizariam os ingredientes do marketing.

Ele os separou em: Product, Price, Promotion, Place. Até hoje, esse conceito é considerado fundamental para qualquer planejamento e ação de marketing.

1951: Fundação da ESPM

O marketing enquanto disciplina e área do conhecimento se consolidou a partir da criação de cursos nas universidades americanas. 

Esse movimento chegou até o Brasil e, em 1951, um grupo de publicitários e empresários da mídia, com liderança de Rodrigo Lima Maertensen, fundou a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). 

O apoio do então diretor do Masp à época, Pietro Maria Bardi, e do empresário Assis Chateaubriand, foi crucial. A ESPM é pioneira na formação das graduações sobre o tema no País. 

O projeto foi inspirado em métodos de ensino aplicados na Universidade Columbia. Depois, foi a vez da FGV lançar seu curso, com base em experiências da Universidade de Michigan.

Vale destacar que o ensino de marketing no país também foi estimulado a partir da criação da Escola Superior de Administração de Negócios e da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), em 1952.

1967: Lançamento do livro “Administração de Marketing”

Conhecido como “pai do marketing”, Philip Kotler lançou em 1967, em coautoria com o professor Kevin Lane Keller, o famoso livro “Administração de Marketing”. Esse título é considerado um marco crucial nos estudos de marketing.

Kotler tem essa fama porque foi ele que deu luz a conceitos importantes na área que são imprescindíveis até hoje, como segmentação de mercado, posicionamento de marcas e comportamento do consumidor.

Toda essa trajetória resultou ao professor norte-americano o título de maior especialista de marketing do mundo, nomeação fornecida pelo Management Centre Europe.

Os livros de Kotler estão presentes na base curricular de todos os cursos de marketing no mundo.

Fim dos 1970: Popularização do Telemarketing

Embora o telefone tenha sido inventado em 1876, a penetração dos aparelhos nas casas da população americana ocorreu massivamente muito tempo depois, em meados de 1946, quando a tecnologia chegou a 50% dos lares nos Estados Unidos. 

Foi a partir desse momento que surgiu a oportunidade de fazer vendas por ligação telefônica.

No entanto, o termo “telemarketing” só começou a ser usado no fim dos anos 1970, passando a ser uma das práticas de marketing mais polêmicas, sobretudo pela receptividade negativa por parte dos consumidores.

O telemarketing tem passado, nos últimos anos, por grandes transformações, principalmente no modus operandi das ações outbound (ligações ativas para oferecer produtos e serviços).

Grande parte do serviço de telemarketing tem sido desenvolvido por atendimentos eletrônicos, por meio da famosa URA (Unidade de Resposta Audível).

Há um outro componente que tem influenciado bastante as ações de telemarketing: as ligações indesejadas pelos consumidores. Essa variável resultou em legislações que limitam ou até bloqueiam as atividades desse setor. 

1973: Primeira chamada feita por celular

Neste ano, ocorreu a primeira ligação telefônica realizada de um celular, aparelho que décadas depois se tornaria um membro do corpo humano e uma extensão da realidade sensorial, reunindo em um único aparelho funções do telefone, da TV, do rádio, do jornal, da revista, do computador e da câmera fotográfica.

Em 3 de abril de 1973, Martin Cooper, então engenheiro da Motorola, testou nas ruas de Nova Iorque, nos Estados Unidos, os recursos do celular, à época chamado de DynaTAC, que pesava 1,1 quilo. 

Nesta chamada inaugural, Cooper, que é considerado o pai do telefone celular, ligou para a Bell Labs, uma espécie de departamento da operadora AT&T. 

O aparelho utilizado pela Motorola na primeira ligação serviu de experimento para o lançamento do DynaTAC 8000X dez anos depois. Este aparelho é considerado o primeiro celular a ser vendido no mundo.

Hoje, podemos dizer que o celular é uma ferramenta essencial para as ações de marketing, uma vez que as pessoas estão sempre com um aparelho em mãos, consumindo informações e entretenimento a todo instante, em diferentes canais.

1981: IBM lança o primeiro computador pessoal

Marque bem esta data: 12 de agosto de 1981. Foi nela que a IBM lançou o primeiro computador pessoal do mundo. Com preço relativamente acessível, configurações avançadas para a época e interface amigável, o produto se tornou um marco na história dos computadores e do marketing, é claro.

Isso porque o aparelho permitiu que pessoas físicas tivessem acesso à internet e que esse recurso fosse utilizado para além da esfera militar. O computador pessoal se popularizou anos mais tarde e se tornou um instrumento potente de acesso à informação.

1984: Apple apresenta o Macintosh

Mais conhecido por seu acrônimo Mac, o Macintish foi apresentado ao mundo no dia 24 de janeiro de 1984, abrindo a linha de computadores pessoais fabricados e vendidos pela Apple Inc. 

Uma curiosidade interessante é que o Mac foi o primeiro computador pessoal a tornar popular a interface gráfica, o mouse e a tela incorporada.

Década de 1990: Boom da internet

A popularização do acesso à internet foi uma revolução profunda que prossegue até os dias atuais. No mundo do marketing, nem precisa falar, não é mesmo? 

O computador pessoal permitiu, por exemplo, o surgimento de impressoras, que por sua vez possibilitaram que fosse feita publicidade impressa com mais facilidade.

Além do mais, o computador permitiu que as pessoas acessassem a internet e o e-mail, abrindo um universo infinito e ilimitado no que diz respeito às possibilidades de marketing. 

É a partir desse marco que surgem as estratégias de Inbound Marketing, e-mail marketing, programa de afiliados, SEO, vendas em redes sociais, e outras estratégias que compõem o marketing digital.

1994: Primeira mensagem automatizada em larga escala via e-mail

Outro marco do marketing, viabilizado pela popularização do acesso à internet, ocorreu em 1994, com o envio da primeira mensagem automatizada em larga escala. 

Trata-se do primeiro spam, que alcançou milhares de usuários, abrindo uma nova vertente: o e-mail marketing, ainda muito forte e fundamental na atualidade.

Década de 1990: Início do SEO

Há muitas versões diferentes sobre o surgimento do SEO. Mas o fato é que há um consenso de que as otimizações para figurar nas primeiras posições nos mecanismos de busca tiveram início nos anos 1990, com o nascimento, é claro, dos mecanismos de busca: o Architext, considerado o primeiro buscador de internet, nasceu em 1993, seguido pelo Yahoo!, em 1994, e pelo dominante Google, em 1997. 

O Google é uma história à parte e, inegavelmente, fundamental para a evolução do marketing. A plataforma fundada por Larry Page e Sergey Brin é a mais acessada no mundo pelas pessoas que buscam informação, entretenimento, produtos, serviços e outras atividades. 

Logo, as empresas travam duras e longas “batalhas” de SEO para estarem nos primeiros resultados do Google e ter mais chance de ser encontradas pelos internautas.

2004 em diante: A explosão do fenômeno das redes sociais da internet

As redes sociais da internet revolucionaram as formas como as pessoas se comunicam entre si e com as marcas. Para o marketing, essas plataformas abriram um leque infinito de possibilidades. 

Hoje, as principais são: Facebook, criada em 2004; Youtube, lançada em 2005; Twitter, fundado em 2006; e o Instagram, criado em 2010.

O marketing está muito presente nas redes sociais, uma vez que esses canais permitem uma interação facilitada entre marcas e consumidores, principalmente no que se refere a atendimento, que também tem passado por mudanças com a emergência das tecnologias oriundas da inteligência artificial.

Nesse escopo, podemos citar ainda o surgimento das plataformas de streaming, como Netflix e Spotify, que também ampliaram e diversificaram as estratégias de marketing.

2022: Tendências do marketing digital

E para 2022, quais são as tendências de marketing digital? Sabemos que é cedo para fazer afirmações, mas é possível indicar alguns caminhos — como as experiências híbridas, por exemplo, potencializadas sobretudo pela pandemia. 

Atualmente, o omnichannel está cada vez mais presente nas estratégias que unem os setores de marketing e comercial. O consumidor quer atendimento personalizado, em diferentes canais, além de praticidade.

Um exemplo bastante trivial é a possibilidade de pesquisar os produtos no e-commerce, inicialmente, e depois finalizar a compra no ponto de venda.

Entre as tendências, podemos mencionar ainda o marketing de influência, não só desempenhado por grandes influenciadores digitais, mas pelos micros também. 

A grande tática é gerar identificação. Para isso, nada melhor do que o plano de indicação, um dos mais potentes no marketing. É por isso também que cada vez mais empresas investem em programa de afiliados, ampliando esse leque de indicações.

Uma das últimas novidades que tem agitado o mundo do marketing é o metaverso, que consiste em um tipo de universo digital, abrangendo tecnologias de realidade virtual, inteligência artificial, realidade aumentada e internet.

Esse tipo de tecnologia já está presente no mundo dos games e promete se estender para outras áreas em breve.

Enfim, paramos por aqui na história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo, mas sabemos que todo dia tem novidade sobre a evolução dessa disciplina apaixonante e dinâmica, que precisa acompanhar as inovações tecnológicas e sociais (que estão mais velozes do que nunca). Esperemos que tenha gostado e se divertido nessa volta ao tempo.

Mas você conhece a história dessa disciplina e os principais fatos que marcaram sua evolução ao longo das últimas décadas? Neste artigo, contamos a você a história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo

A história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo tem muitas versões e todas elas carregam um olhar valioso a respeito dessa disciplina que vem evoluindo constantemente ao longo dos anos. 

Livros, artigos científicos, vídeos e textos publicados em sites especializados apresentam narrativas diferentes que merecem ser exploradas por quem deseja compreender a trajetória dessa atividade.

Reunir todo esse material, separar os principais acontecimentos e criar uma linha do tempo parece ser uma tarefa difícil, não é mesmo? Pois saiba que acatamos esse desafio.

Ao fazer isso, sabemos que estamos sujeitos a cometer erros e injustiças. Mas nosso objetivo consiste em nada mais do que traçar um panorama histórico de 1922 a 2022.

Queremos mostrar um pouco desses anos de profundas mudanças, descobertas e evoluções na área que acompanharam, inevitavelmente, as transformações tecnológicas e sociais.

No decorrer desta página, você viaja no tempo e confere cada um dos fatos que marcou essa história, incluindo os períodos de conceituação, reconceituação, até o cybermarketing e a sociedade pós-industrial, conforme identificam alguns estudos. 

Aperte o cinto e vem conosco!

Marco inicial do marketing enquanto área do conhecimento

Ao revisitar a literatura acadêmica e os livros mais voltados para o mercado, é difícil encontrar, precisamente, um marco inicial do marketing no mundo. 

A razão é muito simples: as práticas de marketing são relacionadas a atividades que existem há muitos anos.

Embora alguns estudiosos afirmem que o começo foi oficializado a partir de 1900, outras referências entendem que o nascimento da área converge com o surgimento do comércio e se confunde com a própria história da humanidade.

De todo modo, podemos dizer que, enquanto área do conhecimento e segmento profissional especializado e reconhecido, o início do marketing data mesmo do século 20, mais precisamente de 1922, como veremos adiante.

Antes de mais nada, vale destacar que o marketing surge em um contexto marcado pelo avanço da economia de mercado no mundo ocidental, que imprimiu mudanças profundas nos sistemas social, econômico e moral vigentes até então.

Sobrevivendo às duas grandes guerras mundiais — além da guerra fria e das profundas crises econômicas globais ao longo das últimas décadas —, o marketing acompanhou todos os avanços tecnológicos, se adequou a eles e, na maior parte das vezes, os incorporou para exercer suas finalidades principais: posicionar, divulgar, convencer e vender.

1922: Primeiro registro da palavra “marketing”

Com base em uma afirmação de Marcelo Boschi, coordenador de marketing estratégico da ESPM Rio, consideramos pertinente embarcar em nossa jornada a partir do ano de 1922, quando a palavra “marketing” foi registrada (publicada) pela primeira vez.

À Forbes, Boschi explica: “O primeiro registro da palavra ‘marketing’ é atribuído a um livro americano de 1922, que tratava da distribuição de alimentos”.

Portanto, o ano de 1922 é considerado um dos marcos do início do marketing enquanto área do conhecimento e atuação profissional. 

Vale destacar que, no contexto histórico do surgimento do marketing, vários outros movimentos tiveram início, como as grandes indústrias, sobretudo as do ramo do automobilismo.

Nesse sentido, pode-se dizer que o conceito dessa técnica é uma consequência da Revolução Industrial, que ocorreu entre os séculos 18 e 19.

1919: Chegada da Ford ao Brasil

Antes de seguirmos em nossa linha do tempo, é necessário abrir um parêntese e citar um fato que está totalmente inserido no contexto da história do marketing no Brasil: a chegada da Ford ao país.

O projeto de sucesso de Henry Ford representa bem essa influência do mercado sobre as ações de marketing. Com uma linha de produção em série, faz-se necessário educar as pessoas a consumir mais e mais.

Com essa lógica, pouco depois do fim da 1ª Guerra Mundial, em abril de 1919, a Ford Motor Company decidiu inaugurar a primeira filial no Brasil. A vinda da empresa ao território brasileiro é considerada um marco que revolucionou tudo o que o país entendia até então sobre produção industrial e avanços tecnológicos.

A inauguração ocorreu na Rua Florêncio de Abreu, em São Paulo, e foi conduzida pelo filho de Henry, Edsel Ford, que era presidente da companhia na época.

Com um investimento de mais de 25 mil dólares, o herdeiro da empresa iniciou a montagem de linhas de carros no Brasil. Há registros de que, apenas no segundo ano de atuação, a empresa produziu e vendeu mais quatro mil veículos no mercado nacional.

1921 a 1933: Ascensão do rádio

A história do rádio teve início em 1831, com Michael Faraday descobrindo a indução magnética. Será que o inventor tinha noção da potência que ele estava criando, que dominaria parte do século 20 no campo da comunicação?

Mas vamos com calma, pois o começo mesmo da difusão radiofônica se deu em 1887, por meio do físico alemão Heinrich Rudolph Hertz.

Conceitualmente, o rádio é um meio de comunicação que tem base na difusão de informações por intermédio de ondas eletromagnéticas em diferentes frequências.

É até hoje considerado o meio mais popular e de maior alcance das massas no mundo inteiro. Essas características fazem do rádio um dos marcos do marketing, sobretudo enquanto instrumento de passar mensagens.

O rádio teve seu desenvolvimento potencializado com a eclosão da 1ª Guerra Mundial, sendo utilizado para fins militares. 

Entretanto, na década de 1920, passou a ser usado como meio de transmissão de notícias e entretenimento, alcançando 55% das casas americanas em apenas 22 anos (entre 1920 e 1933). 

A tecnologia passou a ser um prato cheio para as ações de marketing, com patrocínios das transmissões e anúncios publicitários verbais de serviços e produtos das empresas.

No Brasil, a primeira transmissão radiofônica ocorreu em 1922.

1929: Primeira agência de publicidade internacional a se instalar no Brasil

Este foi o ano que marcou a chegada da primeira agência de publicidade a instalar uma sede no Brasil. A J. Walter Thompson é a dona deste título. Além disso, a empresa carrega consigo alguns marcos interessantes: 

  • foi a primeira a lançar, em 1912, um departamento de pesquisa do mundo;
  • em 1920, realizou campanhas que, de forma inédita, ganhou o aval de pessoas famosas;
  • no ano de 1933, desenvolveu a primeira pesquisa em solo brasileiro sobre perfil de consumo.

Trata-se nada menos do que a empresa do ramo mais antiga do mundo, que contou inclusive com passagens dos escritores Fernando Pessoa e Gabriel García Márquez.

1941: Primeiro anúncio de TV

A TV foi e é até hoje um meio de comunicação fundamental para as estratégias de marketing. Em 1941, esse casamento foi inaugurado no Estados Unidos, com o primeiro comercial televisivo que foi ao ar.

Curiosidade: o anúncio foi uma espécie de tremida vinheta de apenas 10 segundos para a empresa de relógios Bulova, com sede nos Estados Unidos e que, à época, já tinha 66 anos de estrada.

Pode-se dizer que a peça não teve um resultado tão significativo, tendo em vista que a audiência não era muito ampla. Em Nova Iorque, existiam aproximadamente 4 mil aparelhos de televisão no início da década de 1940.

De todo modo, o primeiro comercial do qual o mundo tem registro abriu caminho para um formato que seria dominante por longos anos. Até hoje, o mercado de anúncios em TV é muito forte em receita e alcance.

Em menos de 15 anos depois desse marco, mais precisamente em 1954, a receita dos anúncios televisivos já tinha passado as cifras adquiridas com marketing via rádio e revistas.

Década de 1940: Surgimento do termo “Mercadologia”

Ainda na década de 1940, Álvaro Porto Moitinho lançou o neologismo “mercadologia” em seu livro “Ciência da Administração”, conceituando a análise das condições e tendências do mercado para que as marcas orientassem suas estratégias comerciais de modo assertivo e eficiente.

Um fato curioso é que, no Brasil, na década de 1950, o termo marketing foi traduzido para mercadologia, palavra cunhada por Moitinho. Esse movimento ocorreu quando surgiram os primeiros cursos da área no ensino superior.

No entanto, o termo mercadologia não teve êxito, principalmente pelo fato de a palavra em inglês representar ação no mercado, com uma conotação mais pertinente e coerente que não se limitava aos estudos do mercado, e sim às ações.

1942: Primeira lei específica sobre propaganda no Brasil

Embora as estratégias de marketing já estivessem em curso há alguns anos no país, a primeira lei relacionada à área só foi sancionada em 1942. 

Foi a primeira legislação específica sobre propaganda, voltada exclusivamente para dentistas, médicos e veterinários.

1948: Início do Dia dos Namorados e do Dia das Mães

Junho de 1948, essa foi a data em que iniciava a exploração promocional do Dia dos Namorados. O Dia das Mães protagonizou seu primeiro anúncio no mesmo ano. 

Ambos os eventos comemorativos, criados pela Standard Propaganda em São Paulo, movimentam o comércio até hoje. 

Essa agência de publicidade pertencia a Cícero Leuenroth, uma figura importante na história do marketing no Brasil. Ele foi um dos fundadores, inclusive, do IBOPE (1942) e da Associação Brasileira de Propaganda (1937).

1949: Criação do termo “marketing mix”, que deu origem aos 4 Ps

O famoso termo “marketing mix”, que posteriormente daria origem ao conhecido conceito dos 4 Ps (produto, preço, promoção e praça), foi criado por Neil H. Borden, em 1949. 

Em linhas gerais, o marketing mix pode ser entendido como um compilado de elementos que integram as ações de marketing. 

O conceito tem base em estudos de James Culliton, que dizia que os executivos das empresas eram uma espécie de liquidificadores (que significa mixers, em inglês).

Isso porque, segundo o autor, a função desses profissionais consistia em materializar receitas orçamentárias, misturando ingredientes, alterando quantidades ou incrementando novos elementos.

É a partir de toda essa conceituação que, anos depois, a expressão marketing mix, ou mistura de marketing, ganhou novos ares. A teoria de Borden foi aprimorada por Jerome McCarthy, professor da Universidade de Michigan, que definiu os quatro grupos de ações que simbolizariam os ingredientes do marketing.

Ele os separou em: Product, Price, Promotion, Place. Até hoje, esse conceito é considerado fundamental para qualquer planejamento e ação de marketing.

1951: Fundação da ESPM

O marketing enquanto disciplina e área do conhecimento se consolidou a partir da criação de cursos nas universidades americanas. 

Esse movimento chegou até o Brasil e, em 1951, um grupo de publicitários e empresários da mídia, com liderança de Rodrigo Lima Maertensen, fundou a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). 

O apoio do então diretor do Masp à época, Pietro Maria Bardi, e do empresário Assis Chateaubriand, foi crucial. A ESPM é pioneira na formação das graduações sobre o tema no País. 

O projeto foi inspirado em métodos de ensino aplicados na Universidade Columbia. Depois, foi a vez da FGV lançar seu curso, com base em experiências da Universidade de Michigan.

Vale destacar que o ensino de marketing no país também foi estimulado a partir da criação da Escola Superior de Administração de Negócios e da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), em 1952.

1967: Lançamento do livro “Administração de Marketing”

Conhecido como “pai do marketing”, Philip Kotler lançou em 1967, em coautoria com o professor Kevin Lane Keller, o famoso livro “Administração de Marketing”. Esse título é considerado um marco crucial nos estudos de marketing.

Kotler tem essa fama porque foi ele que deu luz a conceitos importantes na área que são imprescindíveis até hoje, como segmentação de mercado, posicionamento de marcas e comportamento do consumidor.

Toda essa trajetória resultou ao professor norte-americano o título de maior especialista de marketing do mundo, nomeação fornecida pelo Management Centre Europe.

Os livros de Kotler estão presentes na base curricular de todos os cursos de marketing no mundo.

Fim dos 1970: Popularização do Telemarketing

Embora o telefone tenha sido inventado em 1876, a penetração dos aparelhos nas casas da população americana ocorreu massivamente muito tempo depois, em meados de 1946, quando a tecnologia chegou a 50% dos lares nos Estados Unidos. 

Foi a partir desse momento que surgiu a oportunidade de fazer vendas por ligação telefônica.

No entanto, o termo “telemarketing” só começou a ser usado no fim dos anos 1970, passando a ser uma das práticas de marketing mais polêmicas, sobretudo pela receptividade negativa por parte dos consumidores.

O telemarketing tem passado, nos últimos anos, por grandes transformações, principalmente no modus operandi das ações outbound (ligações ativas para oferecer produtos e serviços).

Grande parte do serviço de telemarketing tem sido desenvolvido por atendimentos eletrônicos, por meio da famosa URA (Unidade de Resposta Audível).

Há um outro componente que tem influenciado bastante as ações de telemarketing: as ligações indesejadas pelos consumidores. Essa variável resultou em legislações que limitam ou até bloqueiam as atividades desse setor. 

1973: Primeira chamada feita por celular

Neste ano, ocorreu a primeira ligação telefônica realizada de um celular, aparelho que décadas depois se tornaria um membro do corpo humano e uma extensão da realidade sensorial, reunindo em um único aparelho funções do telefone, da TV, do rádio, do jornal, da revista, do computador e da câmera fotográfica.

Em 3 de abril de 1973, Martin Cooper, então engenheiro da Motorola, testou nas ruas de Nova Iorque, nos Estados Unidos, os recursos do celular, à época chamado de DynaTAC, que pesava 1,1 quilo. 

Nesta chamada inaugural, Cooper, que é considerado o pai do telefone celular, ligou para a Bell Labs, uma espécie de departamento da operadora AT&T. 

O aparelho utilizado pela Motorola na primeira ligação serviu de experimento para o lançamento do DynaTAC 8000X dez anos depois. Este aparelho é considerado o primeiro celular a ser vendido no mundo.

Hoje, podemos dizer que o celular é uma ferramenta essencial para as ações de marketing, uma vez que as pessoas estão sempre com um aparelho em mãos, consumindo informações e entretenimento a todo instante, em diferentes canais.

1981: IBM lança o primeiro computador pessoal

Marque bem esta data: 12 de agosto de 1981. Foi nela que a IBM lançou o primeiro computador pessoal do mundo. Com preço relativamente acessível, configurações avançadas para a época e interface amigável, o produto se tornou um marco na história dos computadores e do marketing, é claro.

Isso porque o aparelho permitiu que pessoas físicas tivessem acesso à internet e que esse recurso fosse utilizado para além da esfera militar. O computador pessoal se popularizou anos mais tarde e se tornou um instrumento potente de acesso à informação.

1984: Apple apresenta o Macintosh

Mais conhecido por seu acrônimo Mac, o Macintish foi apresentado ao mundo no dia 24 de janeiro de 1984, abrindo a linha de computadores pessoais fabricados e vendidos pela Apple Inc. 

Uma curiosidade interessante é que o Mac foi o primeiro computador pessoal a tornar popular a interface gráfica, o mouse e a tela incorporada.

Década de 1990: Boom da internet

A popularização do acesso à internet foi uma revolução profunda que prossegue até os dias atuais. No mundo do marketing, nem precisa falar, não é mesmo? 

O computador pessoal permitiu, por exemplo, o surgimento de impressoras, que por sua vez possibilitaram que fosse feita publicidade impressa com mais facilidade.

Além do mais, o computador permitiu que as pessoas acessassem a internet e o e-mail, abrindo um universo infinito e ilimitado no que diz respeito às possibilidades de marketing. 

É a partir desse marco que surgem as estratégias de Inbound Marketing, e-mail marketing, programa de afiliados, SEO, vendas em redes sociais, e outras estratégias que compõem o marketing digital.

1994: Primeira mensagem automatizada em larga escala via e-mail

Outro marco do marketing, viabilizado pela popularização do acesso à internet, ocorreu em 1994, com o envio da primeira mensagem automatizada em larga escala. 

Trata-se do primeiro spam, que alcançou milhares de usuários, abrindo uma nova vertente: o e-mail marketing, ainda muito forte e fundamental na atualidade.

Década de 1990: Início do SEO

Há muitas versões diferentes sobre o surgimento do SEO. Mas o fato é que há um consenso de que as otimizações para figurar nas primeiras posições nos mecanismos de busca tiveram início nos anos 1990, com o nascimento, é claro, dos mecanismos de busca: o Architext, considerado o primeiro buscador de internet, nasceu em 1993, seguido pelo Yahoo!, em 1994, e pelo dominante Google, em 1997. 

O Google é uma história à parte e, inegavelmente, fundamental para a evolução do marketing. A plataforma fundada por Larry Page e Sergey Brin é a mais acessada no mundo pelas pessoas que buscam informação, entretenimento, produtos, serviços e outras atividades. 

Logo, as empresas travam duras e longas “batalhas” de SEO para estarem nos primeiros resultados do Google e ter mais chance de ser encontradas pelos internautas.

2004 em diante: A explosão do fenômeno das redes sociais da internet

As redes sociais da internet revolucionaram as formas como as pessoas se comunicam entre si e com as marcas. Para o marketing, essas plataformas abriram um leque infinito de possibilidades. 

Hoje, as principais são: Facebook, criada em 2004; Youtube, lançada em 2005; Twitter, fundado em 2006; e o Instagram, criado em 2010.

O marketing está muito presente nas redes sociais, uma vez que esses canais permitem uma interação facilitada entre marcas e consumidores, principalmente no que se refere a atendimento, que também tem passado por mudanças com a emergência das tecnologias oriundas da inteligência artificial.

Nesse escopo, podemos citar ainda o surgimento das plataformas de streaming, como Netflix e Spotify, que também ampliaram e diversificaram as estratégias de marketing.

2022: Tendências do marketing digital

E para 2022, quais são as tendências de marketing digital? Sabemos que é cedo para fazer afirmações, mas é possível indicar alguns caminhos — como as experiências híbridas, por exemplo, potencializadas sobretudo pela pandemia. 

Atualmente, o omnichannel está cada vez mais presente nas estratégias que unem os setores de marketing e comercial. O consumidor quer atendimento personalizado, em diferentes canais, além de praticidade.

Um exemplo bastante trivial é a possibilidade de pesquisar os produtos no e-commerce, inicialmente, e depois finalizar a compra no ponto de venda.

Entre as tendências, podemos mencionar ainda o marketing de influência, não só desempenhado por grandes influenciadores digitais, mas pelos micros também. 

A grande tática é gerar identificação. Para isso, nada melhor do que o plano de indicação, um dos mais potentes no marketing. É por isso também que cada vez mais empresas investem em programa de afiliados, ampliando esse leque de indicações.

Uma das últimas novidades que tem agitado o mundo do marketing é o metaverso, que consiste em um tipo de universo digital, abrangendo tecnologias de realidade virtual, inteligência artificial, realidade aumentada e internet.

Esse tipo de tecnologia já está presente no mundo dos games e promete se estender para outras áreas em breve.

Enfim, paramos por aqui na história de 100 anos de marketing no Brasil e no mundo, mas sabemos que todo dia tem novidade sobre a evolução dessa disciplina apaixonante e dinâmica, que precisa acompanhar as inovações tecnológicas e sociais (que estão mais velozes do que nunca). Esperemos que tenha gostado e se divertido nessa volta ao tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.